Otimização de sites SEO em Porto Alegre

Otimização para máquinas de busca em Porto Alegre – Rio Grande do Sul

Guest Posting já era

Guest Posting foi também um assunto em que o Penguin 2.0 prestou bastante atenção, mas agora em Janeiro 2014 Matt Cutts mandou uma mensagem para a comunidade SEO dizendo “stick a fork into it”, o que é similar a dizer “já era”, ou seja, este método não funcionará mais no futuro. Pior, obter links de outros Blogs que caem na malha fina do novo algoritmo em excesso vai levar a penalização a partir de agora.

Como em todos os outros algoritmos anti spam foi criado porque vimos um exagero total na comercialização de Guest Posts. Novos artigos foram postados não por serem interessantes e porque colaboraram com o Blog para criar um conteúdo eficiente, mas sim porque foram pagos. Assim virou “spammy” e por isso ganhou uma atenção especial.

Existe até um caso de Janeiro 2012 quando Google teve que se autopenalizar por este motivo.

Gust Posting é uma coisa de ante-Google por isso muitos Blogueiros verdadeiros estão indignados. Fazer o que, tem que obedecer as regras ou viver sem.

Mas a perspectiva é otimista:

Já aconteceu com outros algoritmos no passado que quando todo mundo deixar de fazer, o algoritmo começa a ter uma tolerância maior novamente. Muitos dizem que isso também acontecerá com este algoritmo anti Guest Posts.

Aqui o “comunicado oficial” do Blog do Matt Cutts (para quem não sabe, Matt Cutts é o chefe da equipe anti spam e o porta voz do Google para a comunidade SEO): http://www.mattcutts.com/blog/guest-blogging/

E agora? No vídeo a seguir Matt explica como fazer um Guest Post que não é spammy:

Este vídeo foi publicado cerca de 3 meses antes do comunicado oficial, anunciando que o método de Linkbuilding Guest Posts “já era”.

O temido Google Penguin Pt. 3

Mais causas de penalizações do Google Penguin e o que os SEOs podem fazer:

Posição do Link

Outro fator que graças ao Penguin 2 pode levar à penalização é a posição dos backlinks de um website. Especialmente se uma grande porcentagem de um perfil de backlinks for posicionada no footer de vários websites. Um lugar para um link que obviamente não quer chamar muita atenção.

A posição também ajuda detectar:

Links de propaganda ou links pagos

Links pagos são posicionados na maioria dos casos na barra lateral (sidebar) de um site junto com um clássico snippet de anúncio. Muitas vezes também sidewide, ou seja, presente em todas as páginas por fazer parte do Layout.

Estes links ainda podem existir, mas devem ser classificados como Links Patrocinados e equipados com o atributo “nofollow”.

E last but not least:

O que fazer pós-penalização?

Google sempre anunciava que um site não pode ser penalizado por fatores que poderiam ser causados por terceiros, mas isso não vale mais por enquanto.

Por isso lançaram uma nova ferramenta para os vitimas arrependidos: Google Disavow Tool.

O Google Disavow Tool para rejeitar links

Aqui podem ser submetidas listas de links que deseja que o Google desconsidere. Mas isso não é uma garantia de reinclusão do seu site. Esforço real tem que ser feito de tirar estes links maus e tudo que não for sucedido deve ser documentado e apresentado junto a pedido de reinclusão de web site penalizado. E neste esforço podemos perceber uma nova tendência totalmente contraditória: em toda a história de SEO ante-Penguin fizemos tudo para conseguir links em mais diretórios web possíveis. Alguns cobraram taxas pequenas para inclusão as quais pagamos com maior prazer, sabendo que adquirimos um link. Agora temos que remover todos estes links criados e adivinhem o que: Os webmasters destes diretórios maus agora cobram uma taxa para remoção do link! Um novo mercado foi criado!
Outra curiosidade sobre a nova tendência de rejeitar links é que muitos acham que o Google somente lançou o Disavow tools para um fim: conseguir mais dados sobre links manipulados. Todos os webmasters desesperados estão mandando planilhas completas de links “falsos” para o Google. Um melhor data-set para aprimorar os algoritmos para detenção destes links/táticas é impensável!

https://www.google.com/webmasters/tools/disavow-links-main

O temido Google Penguin Pt. 2

Como anunciado no post anterior, vem aqui a segunda parte sobre o Google Penguin Update 2.0 e 2.1

Texto Âncora

Este foi um dos principais marcadores do Penguin 2.0, se não o principal marcador mesmo. Muito observados foram os textos âncoras dos backlinks de um site. Isto foi um dos métodos mais forte abusados em toda história de SEO.

Muitos sites tiveram perfis de backlinks com mais de 90% de uma palavra chave altamente comercial, também chamados de “money keys”. Isto obviamente não é nenhum pouquinho natural. Um site “normal” tem muitos backlinks dizendo “clique aqui” ou “Empresa X” e isso que os algoritmos do Google querem ver desde então. Um abuso de quantidade de links com palavras chave comerciais levaram e continuam levando à penalização.

Redes de Links ou Link Farms

Rede de LinksNão foi o maior destaque, mas foi afiado bastante também.
A procura por redes de links, ou seja, site A linka para site B, site B linka para site A e ambos linkam para o site C(omercial). Fazer isso, só em escala maior era sempre um método popular de otimização Black Hat e leva à penalização desde 2004.
Isso vale especialmente para sites estáticos com conteúdo “fino” que existem obviamente só para dar links.

Qualidade dos links

Aqui temos que considerar a qualidade real de um link. O link é da primeira página da prefeitura da minha cidade ou de um spammy diretório russo com milhões de outros links?

E como mencionado acima, um link ruim sozinho não levaria a penalização, mas sim uma porcentagem significantemente acima da média dentro do meu nicho.

Isso vale também para a relevância do site que esta dando o link com o site que o recebe.

Mais causas de penalizações do Google Penguin e o que os SEOs podem fazer para combater na terceira parte.

O temido Google Penguin Pt. 1

Google Penguin UpdatePenguin - no mundo de SEO já se deve ter ouvido este nome várias vezes. Os temidos Google Penguin 2.0 & Google Penguin 2.1 updates. Foi a maior e mais significante quantidade de penalizações durante um único update só. Mas do que se trata nestes novos algoritmos?

Não foi sobre este ou aquele método Spam de criar backlinks para seu site, mas sim sobre o perfil de backlinks de um site por si dentro de um nicho específico.

Sempre foi assim na hora de criar backlinks, um bom SEO sabe que precisa a mesma quantidade ou mais de links de que a média ou, no melhor dos casos, o concorrente mais forte dentro deste nicho específico possui.

Da mesma maneira funcionam os algoritmos dos Penguin 2.0 e 2.1 updates. Observados são os perfis de backlinks e os spammy métodos usados.
P.e. no nicho de sites locais sobre venda de carros pode ser perfeitamente normal que mais de 25% dos backlinks são de diretórios web de baixíssima qualidade. Já que no ramo de, vamos dizer, Software um site com 25% dos seus links de diretórios ruins teria levado a penalização do Penguin na hora.

Mas claro, como em todos os outros algoritmos do Google, temos aqui vários métodos específicos que mais chamaram atenção dentro da enorme lista de sites penalizados e suas causas: Veja a continuação deste Post aqui

SEO Ultimate Plugin para WordPress

SEO Ultimate Plugin para o WordPress foi desenvolvido pela SEO Solutions Design, a versão atual é 6.9.8.
Uma ferramenta incrivelmente útil para automatização de Otimização de sites On Page, mas também para complementar a funcionalidade já existente do WordPress.
A característica mais importante é a capacidade de adicionar Meta descriptions para cada post e cada página que existe no seu Blog WordPress. Após a instalação bem-sucedida estão disponíveis em cada nova página campos com quais é possível personalizar tanto o título quanto a meta descrição. Há até um contador de caracteres instalado que conta os caracteres utilizados e um aviso que a maioria dos motores de busca somente lê os primeiros 140 caracteres da meta description, na minha opinião o limite é mais perto de 156.

O conteúdo do campo Title Tag substitua o título do Post, qual o WordPress adiciona automaticamente como Title Tag da página (ou post) criado.
Outro campo, que na criação de novas páginas ou posts estará disponível, é “Incoming Autolinks Anchor”. O campo é outra funcionalidade extremamente útil do WordPress SEO Ultimate Plugin, o Deeplink Juggernaut.

Campos do Seo Ultimate - Title, Meta Description e Deeplink Juggernaut

Campos do Seo Ultimate – Title, Meta Description e Deeplink Juggernaut

Deeplink Juggernaut assume a função de automatizar a linkagem interna completa. Cada palavra-chave que é inserida nesse campo, criará automaticamente um link para esta página / post em todas as ocorrências achadas no Blog. Também em posts mais antigos, o plug-in vasculha o banco de dados e adiciona em cada palavra encontrada uma tag <a> com o link para seu post resepctiva.

No Tab Deeplink  Juggernaut do menu do SEO Ultimate Plugin podemos fazer diferentes configurações para links internos. Podemos definir se Posts podem linkar a si mesmos, quantos links para um mesmo Post podem criados dentro de um Post/Page e quantos links internos devem existir em total para um Post específico.

Configurações dos links internos do deeplink juggernaut - SEO Ultimate

Configurações dos links internos do deeplink juggernaut – SEO Ultimate

Recomendamos as seguintes configurações:
- Posts não devem linkar a si mesmo
- Um link no máximo por página para a mesma página interna
- Links limitados para um post específico
Nas configurações das Meta Descriptions podemos definir a descrição de, entre outras coisas, a página inicial do blog, Meta Descriptions de todas as páginas de Categorias ou Tags, bem como a possibilidade de criar funções regex para determinados casos.

A função Code Inserter permite a adição de códigos em <head>, <body> na frente do conteúdo, depois do conteúdo ou no rodapé, facilitando assim a inserção de Tracking Codes ou Conversion Snippets sem muito conhecimento em PHP ou HTML.
O 404 Monitor também é um recurso muito útil o qual serve para encontrar links quebrados no site e resolver facilmente. Também extremamente útil para quem trabalha com Dropped Domains.
O mesmo 404 Monitor também é disponível na maioria das empresas de hospedagem de sites nas AWStats do Cpanel, porém sem informar a fonte de cada 404 ocorrido.

404 Monitor do SEO Ultimate WordPress plugin

404 Monitor do SEO Ultimate WordPress plugin

O plugin pode ser baixado aqui: http://wordpress.org/extend/plugins/seo-ultimate/

1.     Metas

A maioria dos websites na internet têm certos objetivos e quando é alcançancado um, falamos em metas. Acontece muito que um web site pode ter muitas metas. No Google Analytics podemos configurar quatro conjuntos de metas (sendo que cada conjunto tem 5 metas – dando ao total 20 metas) por perfil. Para configurar metas no Google Analytics, a primeira questão importante é definir o que você deseja como objetivo.

Poderia ser a página “obrigado.html” que o usuário é redirecionado após entrar em contato através de um formulário de contato ou num site de e-commerce, a página checkout, onde ele será levado à página de inserir o método e informações de pagamento ou poderia ser um clique que é feito em algum anúncio ou banner no website.

 

A página de metas no Google Analytics

A página de metas no Google Analytics

1.1           Configuração de metas

Depois de decidir quais serão suas metas, comece a configurá-las seguindo estas instruções:

  1. Selecione a conta que contém o perfil no qual você criará as metas na página Visão geral, clicando no  link “Configurações do Google Analytics” no canto superior à esquerda .
  2. Localize o perfil no qual você criará as metas e clique em “Editar” na coluna “Ações”.
  3. Na seção “Metas”, selecione um dos quatro conjuntos no qual você criará a meta (cada conjunto contém até cinco metas) e clique em “Adicionar meta”. Você poderá criar até 20 metas se usar os quatro conjuntos.
  4. Insira um nome para a meta que você possa reconhecer rapidamente ao visualizar os relatórios.
  5. Defina a meta como “Ativada” ou “Desativada”. Escolha “Ativada” se quiser que o Google Analytics acompanhe essa meta de conversão. Se definir como “Desativada”, a meta ficará inativa, mas não será excluída.
  6. Selecione a posição da meta. O menu suspenso permite selecionar a posição de uma meta em um conjunto, de modo que você pode controlar a ordem em que ela aparece na guia “Metas” em seus relatórios, ou permite mover uma meta de um conjunto para outro.
  7. Escolha qual dos três tipos de metas você deseja.
    Pode ser:
    - “Destino do URL” – Esta meta permite especificar uma página tendo seu próprio URL como meta 

    Configuração da meta Destino da URL

    Configuração da meta Destino da URL

    - Tempo no site

  8. Configuração da meta Tempo no site

    Configuração da meta Tempo no site

    - ou Páginas/visita – Defina o número exato, mínimo ou máximo de páginas visitadas até que seja alcançada esta meta

     

    Configuração da meta páginas por visita

    Configuração da meta páginas por visita

    Após salvar sua meta configurada, ela estará disponível no painel de controle, como também no menu na esquerda.

 

2.     Funis

Um “funil” é uma série de páginas pelas quais um visitante tem de passar antes de atingir a conversão de objectivos. O nome provém de um gráfico dos visitantes que alcançam cada página, a primeira página tem o maior número de visitantes e cada página sucessiva apresenta menos visitantes à medida que eles saem do site antes de chegar ao objectivo final.

A finalidade de controlar estas páginas consiste em ver qual a eficiência das páginas que direccionam os visitantes para o seu objectivo. Se uma das páginas de funil for muito complexa ou não tiver um design amigável, verá um número significativo de desistências e baixas taxas de conversão. É possível controlar as taxas de desistência nas páginas que conduzem a um determinado objectivo, ao utilizar o relatório Visualização de funil na secção Objectivos.

 

Gráfico de um funil no Google Analytics

Gráfico de um funil no Google Analytics

Depois de inserir as informações de sua meta, defina um funil caso tenha selecionado o tipo de meta “Destino do URL”:

  1. Clique em “Sim, criar um funil para esta meta” dentro da página de configuração de uma meta.
  2. Insira o URL da primeira página do funil de conversão. Ela deve ser uma página comum a todos os usuários que estão sendo direcionados à sua meta. Por exemplo, se você quiser acompanhar o fluxo de usuários pelas páginas de fechamento de pedidos, não inclua a página de produto como uma etapa do funil.
    Observação: os URLs do funil devem ser tratados como expressões regulares. Por isso, você pode incluir caracteres curinga e usar outros métodos de expressões regulares se quiser fazer a correspondência com mais de um URL. Insira um nome para essa etapa.
  3. Se ela for uma “Etapa obrigatória” no processo de conversão, marque a caixa de seleção à direita da etapa. Se essa caixa de seleção for marcada, os usuários que acessarem a página da meta sem passar por essa página do funil não serão contados como conversões.
  4. Continue inserindo etapas de meta até que o funil esteja completamente definido. Você pode inserir no máximo 10 e no mínimo uma etapa de funil.
  5. Clique em Salvar alterações para criar essa meta e o funil.

 

Configuração de um funil de metas

Configuração de um funil de metas

3.     Ferramenta Criador de URL

A codificação dos anúncios on-line com tags é um pré-requisito importante para permitir que o Google Analytics mostre quais atividades de marketing estão valendo a pena. Felizmente, o processo de codificação ocorre sem problemas – depois de entender como diferenciar suas campanhas. Os links de campanha consistem em um endereço URL seguido de um ponto de interrogação e das variáveis de sua campanha.
Acesse http://www.google.com/support/analytics/bin/answer.py?hl=pt&answer=55578, preenche os campos necessários e pressione o botão Gerar URL. Um link codificado será gerado e você poderá copiá-lo e colá-lo em seu anúncio.

Os recursos de codificação de links do Google Analytics permitem que você identifique com exclusividade praticamente qualquer campanha que imaginar. Nem todos os seis campos do formulário do Criador de URL são obrigatórios em cada um de seus links. Normalmente só precisa usar Origem, Mídia, Nome e Termo (para palavras-chave pagas). A tabela a seguir mostra as melhores formas de se codificar os três tipos de campanhas on-line mais comuns – anúncios em banner, campanhas por e-mail e palavras-chave pagas.

Anúncio em
banner
Campanha
por e-mail
Palavras-chave
pagas por cliques
Origem
da campanha
pesquisa boletim1 overture
Mídia da campanha banner e-mail cpc
Termo da campanha Boston Julho a palavra-chave que você comprou
Conteúdo da campanha
Nome da campanha produtoxyz produtoxyz produtoxyz

Fonte: http://www.google.com/support/analytics/

Perfis no Google Analytics

Perfis servem para poder adicionar o desempenho de cada site dentro de uma rede ou conjunto de sites. Deste jeito, cada uma dessas páginas web pode ter um perfil diferente no Google Analytics. Ao fazer isso, a tarefa de analisar projetos com objetivos tão diferentes será extremamente facilitada. Perfis também podem ser utilizados para medir o desempenho de subdomínios de um mesmo site separadamente, utilizando a configuração de filtros no perfil para visualizar somente dados de desempenho de um certo subdomínio.
Para adicionar um novo perfil, clique em “Configurações do Google Analytics” no canto superior à esquerda. Na barra inferior desta página terá a opção “Adicionar perfil de website”.
Clicando neste link levará à página de configuração do novo perfil, tendo como opções “Adicionar um perfil para um novo domínio” ou “Adicionar um perfil para um domínio existente”. A primeira opção é para configurar um perfil para um domínio que seja diferente do domínio já configurado na sua conta, a segunda opção é para criar um perfil com o mesmo domínio, podendo depois aplicar filtros para visualizar aspectos diferentes de acessos do mesmo domínio.

Criação de perfis no Google Analytics

Criação de perfis no Google Analytics

O Google Analytics permite que você adicione vários usuários à sua conta e atribua níveis diferentes de acesso aos relatórios. Você pode fornecer acesso aos relatórios de determinados perfis ao adicionar um novo usuário ou modificar o acesso de usuários existentes.

Usuários no Google Analytics

Para adicionar um novo usuário, clique em “Configurações do Google Analytics” no canto superior à esquerda. Clique no link “Gerenciador de usuários” na barra inferior desta página.

Usuários no Google Analytics

Usuários no Google Analytics

Para fornecer acesso a um novo usuário, clique no link “Adicionar usuário”. Você pode editar ou excluir acessos a relatórios existentes usando os links na tabela “Acesso existente”.

Adicionar acesso ao perfis aos usuários

Adicionar acesso ao perfis aos usuários

Informa o endereço de e-mail do usuário que deseja adicionar (deve ser uma conta do Google cadastrada) e escolhe qual o perfil que o usuário terá acesso, como também se o usuário tem direito apenas para visualizar os relatórios do perfil ou se o usuário age como administrador do perfil.

Filtros no Google Analytics

Os filtros permitem que você manipule os dados de entrada em sua conta. Você pode filtrar endereços IP específicos, incluir tráfego somente de um subdomínio ou subdiretório ou criar filtros personalizados para requisitos mais avançados.

Os dois principais filtros que deveriam ser criados são os filtros para excluir tráfego de um endereço web e de um endereço de IP. Muitas vezes, você deseja desconsiderar o acesso de um site parceiro ou interno e desconsiderar os acessos através do IP da empresa onde você trabalha ou do seu PC em casa.

Para criar filtros, clique em “Configurações do Google Analytics” no canto superior à esquerda. Clique no link “Gerenciador de filtros” na barra inferior desta página.

Na próxima página verá a lista dos filtros existentes, podendo configurar ou excluir. Para criar um novo filtro, clique em “Adicionar filtro”.

Informe o nome do filtro predefinido que deseja e define o tipo de filtro com as seguintes opções:

“Excluir” ou “Incluir somente” – “Tráfego dos domínios” ou “Tráfego dos endereços IP” ou “Tráfego para os subdiretórios” – “que são iguais a” ou “que começa com” ou “que termina com” ou “que contém”. Dependendo da sua ecolha terá um campo abaixo para definir o domínio ou IP ou subdiretório. Aplique este filtro criado à um perfil e clique em “Salvar alterações”.

Criar um filtro no Google Analytics

Criar um filtro no Google Analytics

Alternativa existe a possibilidade de criar um filtro personalizado com muitas possibilidades. Sabendo usar RegEx (expressões regulares), terá inúmeras opções através do Campo de filtro “Definido pelo usuário”. Também através da marcação do Tipo de filtro “Avançado”.

Criação de filtros personalizados no Google Analytics

Criação de filtros personalizados no Google Analytics

Estando com a conta no Google Analytics configurada e o código de rastreamento (tracking code) inserido no seu Web Site, Blog WordPress, Joomla ou Magento, podemos acessar o painel de controle. Ao entrar será exibida a seguinte tela:

Interface backend do Google Analytics

Interface backend do Google Analytics

Aqui podemos definir qual o perfil que desejamos acessar, caso houver mais de um perfil e vemos estatísticas básicas sobre o desempenho do site cadastrado no perfil, como Visitas no período (por padrão os últimos 30 dias), o tempo médio no site que os visitantes ficam, a taxa de rejeições (porcentagem de pessoas que não passam da primeira página) e metas concluídas (se houver metas configuradas).

Para entrar no Painel de controle com informações mais detalhadas, clique em “Visualizar relatório” ao lado do domínio do seu site.

O dashboard de Google Analytics

O dashboard de Google Analytics

  1. Período de tempo dos resultados mostrados – Aqui pode definir o período desejado, por padrão terá os últimos 30 dias.
  2. Gráfico de visitas no período configurado – Cada ponto representa um dia, passando com mouse por cima, mostrará a data e número exato de visitas neste dia.
  3. Uso do site – Resumo sobre o uso do site, demonstrando o número total de Visitas, o número de Visualizações de páginas, a média de páginas visitadas em cada visita no site, a taxa de rejeições (porcentagem das visitas que foram além da página de entrada), o tempo médio dos visitantes no site e a porcentagem de visitas novas.
  4. Visão geral das origens de tráfego – Aqui vemos em forma de um gráfico no formato “Pizza” as origens de tráfego, segmentado por Mecanismos de pesquisa, Tráfego direto e Sites de referência.
  5. Cobertura regional – Um mapa do mundo com as regiões que trazem mais visitantes em verde, tom mais verde significa mais visitas.
  6. Visão geral dos visitantes – Gráfico demonstrando os visitantes únicos no período configurado, sendo que visitantes que visitam o site duas vezes são contato uma vez só.
  7. Visão geral de conteúdo – Lista com as cinco páginas mais visitadas com o número de visualizações de cada página ao lado e a porcentagem da mesma referente a todas as visualizações.
  • Se houver metas ou relatórios personalizados configurados, apareceriam abaixo destes campos.
  • Clicando em “Visualizar relatório” na barra inferior de cada campo, abrirá uma página com detalhes sobre este.
  • No menu a esquerda poderá também acessar diretamente relatórios específicos sobre os visitantes, origens de tráfego e conteúdo como também metas, se houver configurado.

 

Visão geral das origens de tráfego

 

Clicando em “Visualizar relatório” na barra inferior do campo “Visão geral das origens de tráfego” ou em “origens de trafego” no menu na esquerda abrirá a página com informações detalhadas, mostrando novamente o gráfico com as visitas por dia e as porcentagens de cada origem de tráfego. Abaixo disso vemos uma lista com as “Principais origens de tráfego” e ao lado uma lista com as palavras chaves quais levaram os visitantes ao seu site. Clicando em “visualizar relatório completo” levará a listas completas sobre cada item.

 

Cobertura regional

 

Os países no mapa mostram pela coloração quais tiveram mais visitantes. Clicando em um país abrirá o mapa deste com suas cidades, mostrando o número de visitantes em forma de círculos de diversos tamanhos. Maior significa mais visitantes. Passando com ouse em cima de um circulo, será informado o nome da cidade e o número de visitas através desta. Clicando no circulo de uma cidade abrirá uma página com informações detalhadas sobre os acessos e um gráfico de acessos por dia. Na aba “Uso do site” podemos ainda segmentar por vários fatores, vendo, por exemplo, todas as resoluções de tela usadas pelos visitantes desta região. Podendo ainda comparar estes dados com um segundo filtro, por exemplo, Velocidade da conexão.
Se houver metas configuradas, podemos ver o desempenho nesta região especifica, clicando na aba “Conjunto de metas” ao lado da aba “Uso do site”.

Podemos também clicar em “Visualizar relatório” abaixo do mapa do mundo para ampliar o mesmo, podendo assim passar com o mouse por cima dos países para receber informações sobre acessos através de cada. Abaixo do mapa veremos uma lista em orem decrescente informando número de visitas, páginas/visita, tempo médio, % de novas visitas e taxa de rejeições de cada país. Aqui também é possível segmentar por vários fatores como também ver o relatório do conjunto de metas.

 

Visão geral dos visitantes

 

Na página de Visão geral dos visitantes veremos um gráfico com números de visitantes únicos e abaixo disso uma lista com dados de uso do site como o número total de Visitas, o número de Visualizações de páginas, a média de páginas visitadas em cada visita no site, a taxa de rejeições (porcentagem das visitas que foram além da página de entrada), o tempo médio dos visitantes no site e a porcentagem de visitas novas.
Ao lado desta lista temos a opção de segmentar estas informações por vários fatores.
Abaixo disso terá duas colunas com informações sobre o “Perfil técnico” dos visitantes, informando os cinco navegadores mais usados nas visualizações do site, como também velocidades de conexões usadas. Ambos têm a opção de exibir um relatório completo.

 

Visão geral de conteúdo

 

Aqui será demonstrado um gráfico com números de visualizações de páginas por dia e abaixo disso o número total de visualizações no período configurado, como a quantidade de visualizações únicas e taxa de rejeições. Abaixo disso tem uma lista com as cinco páginas mais visitadas, informando o número de visualizações de cada página e a porcentagem de cada referente ao total de visualizações. Clicando em “visualizar relatório completo” abrirá uma página com a lista completa de todas as páginas acessadas por visitantes em ordem decrescente, podendo segmentar por vários fatores.

No menu da direita têm as opções de “Análise navegação” e “Otimização da página de destino”.

Análise de navegação

No “Resumo de navegação” podemos ver informações sobre porcentagem de entrada e quais foram as páginas anteriores de cada página do site, como também a porcentagem de saídas desta página e as próximas páginas.

Na página “Caminhos de entrada” podemos ver como as pessoas navegaram a partir de uma determinada página, para onde navegaram após ver esta página e onde terminou a visita delas no site.

 

Otimização da página de destino

Na página “Origens de entrada” podemos ver as origens de entrada de cada página no site em forma de uma lista em ordem decrescente.

Na página “Palavras chave de entrada” podemos ver as palavras chaves de entrada de cada página em forma de uma lista com ordem decrescente.

è Ainda terá as opções “Google Analytics na página” que medirá quais as partes mais vistas/utilizadas pelos visitantes do seu site (ainda se encontra em fase Beta) e o “Otimizador de Website” que permite testar diferentes formas de conteúdo ou anúncios para comparar o desempenho de cada uma.

Como criar uma conta no Google Analytics

Google Analytics é uma ferramenta fundamental para qualquer campanha online, seja de Links Patrocinados como, por exemplo, no Google Adwords ou até para a otimização de sites para sistemas de pesquisa. Com ele podemos ver exatamente o desempenho da nossa apresentação online, ver pontos fracos e fortes e reagir de acordo. Podemos ver de onde vieram as visitas, quanto tempo elas ficaram e quais as páginas que tiveram mais visitas e muito mais.
O uso de Google Analytics é totalmente gratuito, mas para poder usar-lo precisa ter uma conta no Google. Está conta não precisa ser exclusivamente do Gmail, é possível criar uma conta com o seu e-mail particular também. Como há muito SPAM atualmente, o Google exige a verificação da identidade através de um código PIN que é enviado para o seu endereço ou por telefone fixo ou celular. Estando com uma conta no Google, acesse www.google.com.br/analytics. Na tela que abrirá terá a opção de entrar na sua conta do Google Analytics (1) ou criar uma nova conta (2).

Interface da página inicial do Google Analytics

Interface da página inicial do Google Analytics

Cadastro no Google Analytics

Clique em “Inscreva-se agora”, na página a seguir digite seu endereço de e-mail do Google e a sua senha. Será levado à seguinte tela:

Tela de inscrição do Goole Analytics

Tela de inscrição do Goole Analytics

Clique novamente em “Inscreva-se”. A próxima página mostrará a tela de cadastro, pedindo que preencha os seguintes campos:

- URL do site: digite a URL completa (com http://) do site que deseja monitorar;

- Nome da conta: digite o nome da conta (pode ser o nome do site);

- País ou território do fuso horário: p.e. Brasil;

- Fuso horário: escolha o melhor fuso horário (mais próximo da sua cidade).

Inscrição no Analytics

Inscrição no Analytics

Após preencher e clicar em continuar aparecerá uma tela para informar seu nome, sobrenome e novamente o país em que se encontra.

Defina dados como nome e país

Defina dados como nome e país

Leia atentamente os Termos e Condições a seguir (também conhecido como os “TOS”), marque a caixa de seleção para aceitar e clique em “Criar nova conta”.

Termos de Serviços (TOS)

Termos de Serviços (TOS)

A próxima tela serve para definir as instruções de acompanhamento, informando, se o acompanhamento de acessos é de um único domínio, um domínio com vários subdomínios ou vários domínios de nível superior. Também há um checkbox para definir se deseja acompanhar uma campanha de Google Adwords, neste caso terá informações adicionais referente ao desempenho do seu investimento nos links patrocinado no Google Adwords.

Página com o tracking code do Google Analytics

Página com o tracking code do Google Analytics

As opções nas abas “Avançado” e “Personalizado” são para outras campanhas de links patrocinados e outros tipos de sites, possibilitando, por exemplo, tracking codes para inclusão no <head> das páginas à acompanhar.
No caso padrão, copie o código que está sendo exibido e cole o antes da closing tag </body> em todas as páginas de seu site HTML ou no arquivo footer.php do tema utilizado do seu Blog.

Inserir o tracking code do Google Analytics num arquivo HTML

Inserir o tracking code do Google Analytics num arquivo HTML

Em sites auto-gerenciáveis como Joomla, ou sites de e-commerce como Magento existem opções no menu principal para inserção do código de acompanhamento (tracking code).
No caso do Magento vá até Configurações -> Google API -> Google Analytics e insira somente o código individual da terceira linha, como por exemplo, “UA-12345678-9″.

Inserir o tracking code do Google Analytics no Magento

Inserir o tracking code do Google Analytics no Magento

Querendo aplicar o acompanhamento de acessos no Joomla, vá em “Extensions” > “Template Manager” > “Site Templates” escolhe o seu Template que está usando e clique em “Edit” na tela seguinte em “Edit HTML”, insira o código como numa página HTML antes da </body> closing tag e depois clique em “Save”.

Inserir o tracking code do Google Analytics no Joomla

Inserir o tracking code do Google Analytics no Joomla

O Google Analytics costuma atualizar os seus relatórios a cada 24 horas. Isso significa que, depois da instalação do código de monitoramento pela primeira vez, normalmente leva 24 horas para que os dados sejam exibidos em sua conta. Na prática, o Google leva menos tempo para reconhecer seu código instalado e, caso isso não aconteça, verifique qualquer possibilidade de erro nessa instalação.

No próximo Post mostráramos como utilizar os dados do Google Analytics para analisar o desempenho da sua camapanha online como também instruções gerais sobre o uso de Google Analytics.

Como funcionam as máquinas de busca

Quando uma busca é feita num sistema de pesquisa como Google, Yahoo ou BING aparecerá uma página com geralmente 10 resultados, chamada de SERP ou seja Search Engine Result Page (página de resultados de um motor de busca).
Cada resultado mostra o título da página, uma descrição de duas linhas de texto e o URL abaixo. O título sempre é o titulo configurado da página. A descrição de duas linhas pode ser a meta description configurada ou uma parte do texto em que aparece a palavra chave pesquisada senão houver esta palavra na meta description. O URL sempre mostra qual a página do domínio que aparece, em muitos casos aparece a mainlevel domain, sendo, por exemplo, www.webdesign-fb.com e
www.webdesign-fb.com/otimizacao-maquinas-busca.html

Página de resultados do google.com.br - SERP

Página de resultados do google.com.br - SERP

A classificação destes resultados acontece através de mais de 200 algoritmos, sendo a maioria destes absolutamente segredos. O que sabemos com certeza é que fatores OnPage como Titulação das páginas, meta tags, conteúdo relevante, densidade de palavras chave, uso de sinônimos, estrutura interna, linkagem interna, uso de imagens e alt description das mesmas e muito mais outros fatores influenciam o posicionamento de um site. Sendo assim possível o trabalho de otimização de sites ou Serach Engine Optimization SEO.

Fatores OffPage são geralmente só links apontando para o seu web site.
Fatores importantes aqui são: o número de sites que apontam para o seu, os temas do web sites quais apontam para o seu site, Page Rank de cada site, o tempo que seu site está sendo apontado, os títulos das páginas que contém links para seu site, o texto usado no link (Anchor Text) e ao redor dele, a quantidade e a qualidade dos links que apontam para o site apontador, o total de Links externos que o site apontador possui, endereço IP dos sites que apontam para você, Popularidade de domínios ou D-Pop e mais alguns outros fatores.

No Brasil temos um recorde mundial de uso do Google, de todas as máquinas de pesquisas usadas no território, 93% é o Google. Ou em outras palavras, de 100 pesquisas feitas no Brasil, 93 são feitas através do Google. Este número alto existe porque a UOL usa os mequanismos do Google, mostrando resultados gerados pelos Google Bots nas suas páginas de resultados.

Mundialmente o Google tem uma participação de 85,1% de todas as pesquisas feitas na internet.

Por isso a maioria dos SEOs (Otimizadores de sites) se baseia somente nos resultados do Google para suas estratégias de otimização de sites.

Gráfico de buscas feitas nas máquinas de buscas mundiais

Gráfico de buscas feitas nas máquinas de buscas mundiais

Redes sociais

  • RSS
  • Google+
  • Facebook
  • Twitter
  • Dihitt

Certificados

Parceiro Certificado do Google Adwords Certificado em Digital Analytics lrt-associate

Guest Posting já er

Guest Posting foi também um assunto em que o Penguin ...

O temido Google Peng

Mais causas de penalizações do Google Penguin e o que ...

O temido Google Peng

Como anunciado no post anterior, vem aqui a segunda parte ...

O temido Google Peng

Penguin - no mundo de SEO já se deve ter ...

SEO Ultimate Plugin

SEO Ultimate Plugin para o Wordpress foi desenvolvido pela SEO ...

Guest Posting já er

Guest Posting foi também um assunto em que o Penguin ...

O temido Google Peng

Mais causas de penalizações do Google Penguin e o que ...

O temido Google Peng

Como anunciado no post anterior, vem aqui a segunda parte ...

O temido Google Peng

Penguin - no mundo de SEO já se deve ter ...

SEO Ultimate Plugin

SEO Ultimate Plugin para o Wordpress foi desenvolvido pela SEO ...